Pipoca Lunar

Pipoca Lunar: Interestelar e o Buraco de Minhoca

Primeiro, eu quero desejar a todos um feliz 2021, muito amor e muita luz nesses dias que estão para vir. Quero dizer também, que esse ano nós estamos preparando coisas lindas para o blog, então fiquem atentos!

Para começar o ano com o pé direito, nós, da irmandade da lua resolvemos fazer a semana no mundo da lua – puxando o tema graças ao dia do astronauta, que é comemorado no dia 09/01 – e eu resolvi falar sobre Interestelar, que é, de longe meu filme favorito sobre a temática “viagem espacial”.

E eu digo com convicção, que eu sou uma pessoa entendida sobre esse assunto – é, eu gosto de filmes de ficção e viagens pela galáxia. Além de ter um dos meus atores favoritos, sua direção também é feita por um diretor talentosíssimo e claro o desenvolvimento vai longe de tudo o que eu já assisti nesse quesito.

Talvez se a gente assiste a primeira vez, sem prestar muita a atenção, podemos nos sentir perdidos em algum ponto do filme, mas também – e mesmo que você tenha prestado toda a atenção e entendido direitinho – é um daqueles filmes que a gente assiste uma, duas, três e quantas vezes der vontade ou estiver passando aleatoriamente pela televisão. 

Então coloquem suas roupas espaciais e vamos juntos nessa viagem por nosso post de hoje!

A Grande Mente Christopher Nolan

Você, mesmo que não goste de filmes de viagens pelo espaço, COM certeza, já ouviu falar do diretor, roteirista e produtor Christopher Edward Nolan, ou só Christopher Nolan, nascido em 30 de julho de 1970, Londres, Inglaterra. 

(Christopher Nolan – Fonte da imagem: Wikipédia

Considerado um dos diretores mais bem sucedidos de Hollywood, está por trás de grandes produções como: a trilogia Batman The Dark Knight (2005–2012) – Begins, O Cavaleiro das Trevas, O Cavaleiro das Trevas Ressurge – protagonizado por Christian Bale.  A Origem (2010), com o maravilhoso Leonardo DiCaprio. O Homem de Aço (2013), com Henry Cavill. E, um dos mais recentes e igualmente maravilhoso, aos outros títulos citados e não citados, Tenet (2020) com Robert Pattinson (Um dos melhores filmes que eu tive a chance de assistir em 2020, recomendo, inclusive, pensando em falar sobre ele, em um futuro não muito distante)

Pôster do filme – Fonte da imagem: A Taberna

Em 2014, Christopher chega com tudo, com o filme de ficção Interestelar, estrelado por um elenco, no mínimo impecável, com nomes como Matthew McConaughey (que é um dos meu atores preferidos do mundo todo), Anne Hathaway (que está na lista das minhas atrizes preferidas também), Jessica Chastain (outra com uma carreira brilhante), Matt Damon (Não tem nem o que falar sobre o Matt, não é?) e Michael Caine (ícone atemporal).

A união desse elenco e dessa direção não podia ser diferente foi sucesso na certa. Nolan, além de dirigir, fez parte do time de produção, junto com sua esposa Emma Thomas e com Lynda Obst, e no roteiro com seu irmão Jonathan Nolan e ainda tiveram o físico teórico Kip Thorne como consultor científico e produtor executivo – seu trabalho inspirou o filme.

Anne Hathaway, Matthew McConaughey e Jessica Chastain – Fonte da imagem: Yahoo News

A produção foi co-financiada pela Warner Bros, Paramount Pictures e Legendary Pictures e Christopher contratou como diretor de fotografia Hoyte van Hoytema. As filmagens de toda a trama foram no formato 35 mm (utilizada também nas primeiras experiências de cinema) e também IMAX 70 mm. Deixando o filme com um toque mais que especial.

O filme recebeu cinco indicações ao Oscar de 2015. Melhores Efeitos Visuais, Melhor Trilha Sonora, Melhor Edição de Som, Melhor Mixagem de Som e Melhor Direção de Arte, tendo vencido na categoria de Melhores Efeitos Visuais. (Mesmo eu achando que faltou ali uma indicação de melhor ator e de melhor atriz coadjuvante)

Interestelar e a viagem pelo buraco de minhoca.

Trailer oficial do filme

Sinopse: “Após ver a Terra consumindo boa parte de suas reservas naturais, um grupo de astronautas recebe a missão de verificar possíveis planetas para receberem a população mundial, possibilitando a continuação da espécie. Cooper (Matthew McConaughey) é chamado para liderar o grupo e aceita a missão sabendo que pode nunca mais ver os filhos. Ao lado de Brand (Anne Hathaway), Jenkins (Marlon Sanders) e Doyle (Wes Bentley), ele seguirá em busca de uma nova casa. Com o passar dos anos, sua filha Murph (Mackenzie Foy e Jessica Chastain) investirá numa própria jornada para também tentar salvar a população do planeta”.

Lendo a sinopse, a gente pensa logo que “é só mais um filme igual aos outros do gênero de ficção científica” e esse é o pior pensamento que a gente pode ter, como começa a acompanhar a trama.

Pragas nas colheitas, ar árido e com muito pó, devido as grandes queimadas e destruição da vegetação e de grande parte da flora mundial, fizeram a civilização humana regredir para uma sociedade agrária e temer todos os dias o que seria do futuro – já que essa aridez, ar cada vez menos puro e todas as consequências já estava contaminando a população, com doenças, fome e brigas por território. (E a gente fica assustado com como não estamos longe de viver esse cenário)

Murphy e Cooper em cena do filme – Fonte da Imagem: The Conversation

Cooper, que é ex-piloto da NASA, tem uma fazenda onde mora com a sua família. Ele tem uma filha de dez anos, Murphy, que acredita que seu quarto está assombrado por um fantasma que tenta se comunicar com ela – fazendo pequenas mudanças dos objetos, e até mesmo desorganizando sua prateleira de livros.

Juntos, Pai e filha observam as ações do “fantasma” e descobrem que aquela interação é uma inteligência desconhecida, que está enviando mensagens codificadas através de radiação gravitacional. Eles acreditam que essa inteligência está deixando coordenadas em binário, e essas informações os levam até uma instalação secreta da NASA liderada pelo professor John Brand.

O cientista revela que um buraco de minhoca foi aberto perto de Saturno (eu acho essa informação super divertida, talvez, e só talvez, porque eu acho todo esse lance de buraco de minhocas muito misterioso e interessante) que funciona como um “portal” para planetas que podem oferecer condições de sobrevivência para a espécie humana – similares ao do nosso planeta terra!

Anos antes daquele encontro de Cooper com Brand, as “missões Lázaro” foram enviadas e identificaram três planetas potencialmente habitáveis orbita do o buraco negro e que foram nomeadas em homenagem aos astronautas que os pesquisaram, sendo eles Gargântua: Miller, Edmunds e Mann

John então resolve recrutar Cooper para ser piloto da nave espacial de nome:Endurance. E junto com uma equipe, recuperar os dados dos outros astronautas, das missões passadas. As informações são importantes, pois, se um dos planetas se mostrar habitável, a humanidade estará “salva” e  irá seguir para ele na instalação da NASAUma enorme estação espacial.

Cena Do Filme – Fonte da Imagem: ABC.en

A partida do pai devasta Murphy e deixa a menina por anos magoada com aquilo. Para quem tem uma noção básica sobre a teoria do buraco de minhoca – oi, eu rs – sabe que uma das principais aplicações teóricas é a de viagem no tempo, uma vez – que nesse pensamento – os buracos servem como atalhos que conectam diferentes pontos do espaço tempo, transportando assim, para um lugar e tempos diferentes aos quais se encontrava quando adentrou.

E claro, Cooper e Murphy sabiam que as chances do pai voltar, depois de viajar no tempo, e reencontrar os filhos, era de uma fração extremamente pequena. E é aí que a trama começa a ficar boa.

Uma das coisas que eu mais gosto no filme é o fato de passar os dois pontos de vista do acontecimento, tanto de Cooper e a tripulação, tentando finalizar com êxito a missão, quanto de Murphy, que segue na terra, vira uma mulher adulta e continua trabalhando para tentar achar uma resposta e uma saída para a população mundial, que a essa altura estava indo de mal a pior.

Murphy, já adulta – Fonte da imagem: Veja

Enfim, sem mais spoilers – se é que isso é possível – é um filme visualmente agradável, bonito e bem acabado, com um elenco que honra a atuação que é esperada deles e com uma direção excelente, cada pecinha no seu lugar, cada lacuna preenchida e cada resposta dada.

Há quem ache que esse é um defeito do filme, pois ele não instiga o telespectador, quanto às respostas não dadas no final de tudo, mas na minha humilde opinião – de quem, como eu já disse outras vezes, não tenho formação em nenhuma área do cinema, muito menos instrução técnica e gradual para ser uma crítica da sétima arte – é uma das coisas que mais gostei, sair da sala de cinema (sim eu assisti essa coisa linda no cinema) com tudo amarradinho, todas as pontas soltas, amarradas.

Para quem não é fã de produções que a gente faz mil e uma teorias e depois não temos resposta de nenhum lugar para nenhuma delas, essa é uma indicação excelente!

Assista ao filme

Claro, que se eu, indico até os filmes ruins nos meus posts, não poderia, não indicar esse que é um dos meus filmes preferidos de todos os tempos. Ele está disponível em algumas plataformas de stream e canais de TV por assinatura.

Looke: https://www.looke.com.br/filmes/interestelar

Google Play: https://play.google.com/store/movies/details?id=LpdTsygor0A

Apple TV: https://tv.apple.com/br/movie/interestelar/umc.cmc.1vrwat5k1ucm5k42q97ioqyq3

Youtube movies: https://www.youtube.com/watch?v=LpdTsygor0A

NOW Online: https://www.nowonline.com.br/filme/interestelar/360820

E nessa semana no mundo da lua, já temos o post da nossa querida Sel, não deixem de ler https://lunestation.com/over-the-moon-a-lenda-da-deusa-da-lua-e-seu-amor/, e ainda essa semana teremos o post da Art, que também está incrível – Esse é um post para quem gosta de spoilers rs.

Oi, eu sou a Gabriela, mais conhecida por aqui como Hekate. Nascida e criada em São Paulo, duplamente escorpiana, apaixonada por tudo ligado à cultura pop e, às vezes, não tão pop assim. Comédias românticas, livros do Sidney Sheldon, playlists e músicos undergrounds, kpop e o Corinthians são minhas maiores paixões. Aspirante a chef de cozinha e escritora, amante de chás e de abraços.