Lune Records

Lune Records: Mixtape Agust D – Músicas Para Sonhos e Sobrevivência

Para estrear o mês de Novembro, decidi trazer provavelmente o que mais amo nesse mundo e mais gosto de falar: Música. E quem melhor para compartilhar isso comigo do que Agust D?

Em um mixtape com seu próprio nome artístico, Agust D trouxe uma experiência musical crua e com letras repletas de sentimentos, entregues pela melodia com raps rápidos e até agressivos, que queimam como fogo.

Arte de Agust D, feita por Artemis

Apesar disso, Agust D consegue nos trazer uma miríade de sentimentos e situações que, pessoalmente, fizeram com que suas músicas se tornassem algo muito importante na minha vida.

O álbum não tem medo de tratar dos locais mais obscuros da alma ou de criticar uma sociedade que vive de aparência. Fala de ganância, sonhos, choques de realidade, depressão, ansiedade social e um mínimo de esperança que podemos manter em meio a todo o desespero.

Ao se olhar no espelho, Agust D abriu a própria alma para acolher aqueles que passaram pelas mesmas angústias.

Hoje no meu vagão, vamos para Daegu, na Coréia do Sul, a fim de conhecer o garoto que posteriormente se mudou para Seoul e hoje é um homem bem sucedido na indústria musical.

(AVISO: Conforme mencionado acima, o álbum em questão também trata de assuntos mais pesados de saúde mental – como depressão, ansiedade social e menções a suicídio. São tópicos que podem causar gatilhos, então achei melhor deixar avisado.)

Quem é Agust D?

Min Yoongi, também conhecido como SUGA e Agust D (fonte do GIF: pinterest)

Min Yoongi (민윤기) nasceu em 9 de Março de 1993, na cidade de Daegu (대구), Coréia do Sul. Desde jovem, apresentou interesse e talento para música – uma de suas maiores paixões, se não a maior. Apesar de tocar piano e se encontrar no instrumento – como demonstra em uma de suas músicas, First Love – a sua maior expressão foi ao ingressar no Hip Hop.

Sabendo que queria seguir o sonho de tornar-se músico, Yoongi ingressou como rapper na cena underground – além de se esforçar para trabalhar no ramo, principalmente com produção musical. Ao tomar conhecimento de uma audição para uma empresa de entretenimento, a Big Hit Entertainment, aproveitou a oportunidade e ingressou na mesma como trainee – não sem antes se esforçar sozinho para fazer as próprias músicas e vendê-las como podia.

Mudando-se para Seoul (서울), Yoongi entrou para o grupo BTS (방탄소년단) com o nome artístico SUGA (슈가). Como parte do grupo, é rapper, compositor e produtor musical e, por mais que tenha relutado em relação a coreografias no início do grupo, também é um bom dançarino.

Em 2016, lançou sua primeira mixtape – uma coletânea de músicas próprias, escritas e produzidas por Yoongi – com o nome de Agust D, que significa “DT Suga” ao contrário, trazendo sua cidade (Daegu Town) no “DT”.

Sendo assim, Yoongi mantém suas duas personalidades no âmbito musical: SUGA, o rapper do BTS que escreve as músicas com temáticas do grupo, e Agust D, o rapper solo que escreve sobre o que está na própria alma sem filtros ou restrições.

Agust D em Daechwita, música lançada em sua segunda mixtape em 2020 (fonte da imagem: Rolling Stone India)

Sobre a Mixtape – Agust D

Capa da mixtape (fonte da imagem: wikipedia)

Como dito anteriormente, Yoongi apareceu na mídia em 2016 com sua persona Agust D e uma mixtape com o mesmo título de seu nome artístico. O álbum é repleto de músicas escritas e produzidas pelo artista ao longo dos anos, tratando sobre temas complexos e até polêmicos.

A escolha de lançar no formato de mixtape veio da vontade de não se comprometer a um tipo de mentalidade ao compilar as músicas. Agust D traz trabalhos crus e sem filtro, algo que não se encaixa muito com o marketing, promoção e orientação da indústria.

Assim, para trabalhar com liberdade, Agust D foi lançado no formato mencionado, em plataformas de streaming. Mesmo assim, com seu relançamento em 2018, a mixtape alcançou #3 no World Albums Chart da Billboard (sendo o #1, na mesma época, a trilha sonora do filme Pantera Negra).

Qual a diferença entre Agust D e SUGA? Bom, nas próprias palavras de Yoongi em uma entrevista para a Time Magazine: “A diferença é que há muito mais que eu posso expressar abertamente e que eu posso mostrar um lado mais cru de mim [com Agust D]. O que é similar é que ambos cantam sobre sonhos e esperança”.

E é seguro dizer: crueza é o que não falta nos MV’s de Agust D – como o primeiro que foi lançado e o apresentou com sua primeira mixtape, o assunto desse post.

Primeiro MV de Agust D

Apesar do meio visual, o que realmente importa é a alma da música apresentada pelo artista: as letras de toda essa mixtape apresentam questões profundas ou pura revolta, que devem ser lidas e apreciadas para se entender o trabalho por ele realizado.

Na música acima, por exemplo, Agust D traz uma diss track (músicas mais utilizadas no Hip Hop com o objetivo de insultar alguém ou responder a algum insulto) recheada de questões como suas viagens ao redor do mundo (Brazil a New York, Paris a New York); suas conquistas no mundo da música; o seu objetivo (na época) de alcançar a Billboard; como kpop é uma categoria muito pequena para encaixá-lo; e, principalmente, como todos aqueles artistas que o criticam por se tornar um ídolo e “se vender” para a indústria, abandonando o rap underground, são mal sucedidos e consumidos pela inveja de vê-lo com suas conquistas.  

Assim, para deixar mais organizado, separei esse post em 3 seções de músicas (conforme minhas próprias classificações):

  • Diss Tracks – Com Intro: DT SugA (feat. DJ Friz), Agust D, Give it to Me e Tony Montana (feat. Yankie);
  • Skit e Reflexões Sobre a Sociedade – Com Skit, 724148 e 140503 at Dawn;
  • Sonhos e Realidades – Com The Last, Interlude: Dream, Reality e So Far Away (feat. Suran)
Agust D no MV de Give it to Me (fonte do GIF: pinterest)

Diss Tracks

Começando com as famosas diss tracks, Agust D abre com a música título do álbum e Give it to Me, trazendo Tony Montana mais para o final. O que as três músicas possuem em comum, é como ele fala com todos aqueles que o criticam ou têm inveja desmedida, sempre com frases agressivas e com uma postura de não levar desaforo para casa.

MV da música Give it to Me

“Nascido tigre, não vou viver como um cachorro”

– Give it to Me, Agust D

Essa é a postura do artista: nascido forte e com o objetivo de alcançar seus próprios sonhos, ele não irá se contentar com menos que isso. Todos aqueles que somente têm coisas ruins a falar sobre ele e a maneira como tenta atingir tudo que mais almejou, podem permanecer em silêncio por nunca alcançarem nem metade dos próprios sonhos.

Também é nessas faixas que percebemos como Agust D não quer se forçar a se encaixar no padrão imposto por políticas sociais (com trechos como “eu nunca imploro por nada, não sou avarento pelo que está na sua mão, o que quer que seja, ****-se isso todas as políticas na palavra “sucesso”) e preferir qualquer coisa do que viver como alguém que se lamenta e inventa desculpas para si mesmo ao invés de lutar pelo que quer.

Trecho do MV de Give it to Me (fonte do GIF: tumblr)

Em Tony Montana, a referência é ao personagem de Al Pacino no filme Scarface, por ser um gangster extremamente bem sucedido. Mas, apesar da ambição e a vontade de querer cada vez mais, ele demonstra consciência de que “eu quero que o dinheiro me siga mas tenho esperança que eu não me torne o monstro que só vai atrás de dinheiro”.

Tony Montana ao vivo com participação de um dos membros do BTS, Jimin, e algumas alterações da mixtape original para encaixar no show

Força, determinação, revolta, arrogância e uma personalidade inquebrável: essas são as características que Agust D nos apresenta nessas três músicas.

Skit e Reflexões Sobre a Sociedade

Dando uma pausa nas alta energia do começo da mixtape, temos a faixa Skit – que é somente uma gravação de uma conversa entre Yoongi e seu irmão. Entretanto, deixa algo muito importante: como ele é agradecido pelo apoio de pelo menos uma única pessoa de sua família quando estava seguindo seu sonho de trabalhar com música.

Não ter o apoio de familiares para fazer o que se deseja, é certamente algo desencorajador. Yoongi expressa, em poucas palavras, como um apoio, por menor que seja, pode significar o mundo para outra pessoa.

Já com 724148, a batida é animada, porém a letra não deixa de ser menos crítica: dessa vez falando sobre a experiência de escolher sua carreira e se mudar de cidade. O início da letra passa sobre as críticas e desaprovação de praticamente todos a sua volta ao decidir trabalhar com música bem como a falta de perspectiva, enquanto o resto da música trata sobre a desigualdade financeira entre ele e os colegas de escola.

Música com a tradução em português

Agust D traz a indignação de trabalhar em empregos de meio período com salários baixos para poder sobreviver na cidade mesmo que ficasse exausto para ir à escola, enquanto seus colegas esbanjavam dinheiro em bebidas e festas porém dizendo em seguida que não tinham dinheiro para quase nada.

“Eu sabia que o mundo era injusto, mas há alguém vivendo em um apartamento de 15 contos com dois quartos e mais 10 pessoas, enquanto tem alguém dirigindo um carro de marca importada logo após a graduação.”

– 724148, Agust D

A desconexão com a vida real e com o que os outros passam para poder ter o mínimo de conforto que muitas pessoas que nascem com uma vida privilegiada apresentam, não é um fenômeno localizado – em qualquer lugar, vamos encontrar situações revoltantes de desigualdade social.

É essa frustração e indignação que fica evidente: enquanto alguns se extenuam e trabalham mais do que podem somente para pagar as contas no fim do mês, outros esbanjam e assumem que a sociedade inteira têm a mesma condição financeira, não achando que já têm o suficiente – muitas vezes também se vendo como vítima e não reconhecendo os privilégios com os quais já nasceu.

Agust D em seu estúdio, o Genius Lab (fonte da imagem: narvii)

Em 140503 at Dawn, a mixtape passa de uma crítica externa para uma crítica interna. É nesse momento que Agust D começa a abrir sua alma, falando dos próprios pensamentos em uma manhã de um dia qualquer. A letra trata rapidamente de como ele opta por usar uma máscara diariamente para se esconder das pessoas, bem como dá os primeiros indícios de fobia social (ansiedade social) se desenvolvendo até acabar com as interações humanas do artista.

Enquanto isso, ele se esconde atrás de uma imagem de alguém que tem tudo sob controle; de alguém forte que consegue lidar com todas as situações. E arremata ainda com a metáfora de ser uma ilha em um vasto oceanoo que me lembra muito um conceito de Amós Oz, escritor israelense, de que seres humanos são penínsulas.

“(…) eu acredito que cada um de nós é uma península, meia ilha. Eu acho que é certo para nós sempre permanecer uma península: metade ligada ao continente, que seria família, sociedade, comunidade, religião, país e herança. Mas a outra metade de nós deveria ficar isolada, sozinha, enfrentando os elementos que são o mar, as montanhas, a solidão, a morte, a ambição, os desejos.

Nunca confie naquelas pessoas profetas e teologistas que dizem que você não precisa ser nada mais do que uma molécula da Terra, do continente, país, religião, seja o que for. Mas você vai confiar nos profetas que dizem que cada um de nós é uma ilha solitária que vive numa guerra perpétua com o resto do arquipélago? Para mim, pelo menos, a condição humana é ser uma península, e não uma ilha.”

– Amós Oz, para a conferência “Meus Livros, Meu País, Minha Política

Se Agust D leu os trabalhos de Amós Oz, não sei dizer. Mas, enfrentando uma condição similar à dele, posso dizer que concordo tanto com o músico quanto com o escritor.

Sonhos e Realidades

Por fim, deixei as faixas que são mais importantes para mim em um âmbito pessoal.

The Last é uma música certamente com um tom mais sombrio e pesado que as outras – tanto musicalmente quanto em questão de letra. Agust D trata de depressão, ódio a si mesmo, fobia social, compulsão obsessiva, dúvidas e inseguranças que assolam sua mente diariamente.

Questões de saúde mental definitivamente não são fáceis de lidar. Geralmente ocorre uma luta diária entre a vontade de seguir em frente – com a consciência de que não se “é” realmente daquele jeito em que se “está” – e a dúvida terrível de que aquela pessoa que se “está” na verdade é quem se realmente “é”. A letra trata desse tipo de embate – de como, aos poucos, uma sombra vai crescendo na própria mente, aparentemente corrompendo tudo que um dia era puro e inocente, sobrando somente algo monstruoso no final.

Arte de The Last, feita por Artemis

“Min Yoongi já está morto (eu o matei)” – quantas vezes temos que matar a pessoa pura que somos para conseguirmos sobreviver, como se estivéssemos em situação de perigo extremo, pois a vida nos joga uma carga que parece impossível de carregar?

A dor se torna apatia, com desejos e sonhos que morrem aos poucos, sobrando somente uma casca irreconhecível – tanto para aqueles próximos quanto para a própria pessoa passando por tais problemas. Agust D não filtra essas questões, deixando inclusive implícito a possibilidade de tentativas de suicídio por conta de tais problemas.

Toda a revolta e atitude despreocupada acabam sendo somente uma maneira de lidar, para que ele não demonstre todas as fraquezas por trás. O sucesso que um dia ele achava que compensaria por tudo aquilo, acabou se tornando uma prisão sufocante que todos o forçam a aceitar – já que ele mesmo o buscou.

E isso culmina em uma auto culpa exacerbada, aceitando a responsabilidade de tudo que ele precisa lidar, por mais que estivesse fora do próprio controle. Quantos não passam pelo mesmo arco de depressão descrito?

Apesar de tudo isso, The Last se levanta em um final com tons épicos, da força da própria alma de aguentar a dor e suportar qualquer obstáculo. Parando de ignorar a própria natureza, enxergando a grandeza e qualidades em si mesmo, Agust D se coloca em pé novamente, respeitando e tendo orgulho de quem é. As dificuldades pelas quais ele passou são somente lembranças, que o fizeram ser quem é atualmente.

Para aqueles de nós que não conseguiram ainda chegar nessa fase, fica a lição de Agust D: aguentar firme, continuar tentando e respeitar a si mesmo, sabendo que você sempre é melhor e possuí mais qualidades do que acha.

Letra traduzida de The Last

Por fim, So Far Away nos traz o vazio de não se ter um objetivo para perseguir e a importância de se manter firme em seus sonhos ao longo da vida.

A realidade de não ter um sonho que se deseja alcançar pode ser angustiante e muitas vezes causar depressão. Não se ter um objetivo na vida a torna vazia e sem sentido, trazendo um sentimento de estar anestesiado aos acontecimentos a sua volta. Essa realidade pode ser frustrante, além de extenuante – levando muitas vezes a métodos de lidar com tais problemas que podem ser auto destrutivos, como descontar em bebidas alcoólicas.

O sentimento constante de estar estagnado faz tudo cada vez mais solitário – trazendo a falta de sentido ao acordar, ao viver e ao tentar conversar sobre esses problemas com alguém, pois muitas vezes não há com quem falar. A vontade constante é de desaparecer e fazer com que tudo isso suma junto consigo mesmo.

Yoongi não filtra esses questionamentos e realidades em So Far Away. Mas, no refrão, a música traz um fragmento de esperança, uma luz no fim do túnel, à qual todos que estão passando por esses mesmos questionamentos internos podem se agarrar:

“Sonhe, eu estarei desde a sua criação até o fim da sua vida. Sonhe, onde quer que você esteja, irão te receber bem. Sonhe, você irá desabrochar após todas as dificuldades. Sonhe, seu início parecerá humilde, então próspero será o seu futuro”.

– So Far Away, Agust D

Mesmo com a dor, o vazio, a vontade de desaparecer e falta de perspectiva, Agust D nos incentiva a sonhar. Pois são esses sonhos que nos farão desabrochar e encontrar a paz e prosperidade que tanto precisamos para confortar nossas almas tão provadas pelo sofrimento silencioso de uma doença mental e inseguranças internas.

Letra de So Far Away traduzida para o português

Da Música Para a Vida

Acho que a primeira coisa que me fez gostar tanto de Agust D foi notar que todos os sentimentos, revolta, indignação, personalidade forte, desafio às autoridades e uma vontade inabalável que queima como fogo dentro da parte mais profunda do ser não existiam somente em mim – nesse enorme mundo em que vivemos, há outra alma que compartilha e entende essas questões; há Agust D.

Min Yoongi em um show do BTS (fonte da imagem: pinterest)

Ao colocar todos seus sentimentos de maneira tão sincera e crua, direta e muitas vezes dolorida ao longo da mixtape, tenho certeza que a intenção de Yoongi era mais de externar os próprios sentimentos e liberar essa energia estagnada dentro de si do que criar algo com que as pessoas pudessem se identificar e se consolar.

Apesar disso, foi algo que aconteceu – e, nesse aspecto, falo de maneira pessoal. Ao ler as letras e ouvir as músicas, imediatamente me identifiquei com o artista – o que me deu um estranho sentimento de cumplicidade e conforto ao saber que pelo menos alguém entende e vivenciou tais questões.

Agust D esteve ao meu lado em momentos de desesperança e desespero. Foi ele quem chorou comigo sobre as dores dos lados mais obscuros da alma. Foi ele quem me estendeu a mão e me fez levantar. Foi ele quem me deu força e energia para erguer a cabeça e continuar tentando, o máximo que eu podia. Foi ele quem me lembrou de que eu não deveria desistir dos meus sonhos, pois não devemos aceitar menos do que almejamos – que toda dor, um dia valerá à pena.

Em uma mixtape extremamente pessoal e despretensiosa, Agust D traz muito mais do que somente um rap excelente embalado por melodias agressivas – traz também a força e resiliência que muitos podem se inspirar e usar de apoio para os dias mais cruéis nos quais a esperança parece completamente perdida.

E, por isso, as únicas palavras que me restam a dizer sobre tudo que essa viagem musical nos proporciona é: Muito obrigada, Min Yoongi.

Mixtape no Spotify

Lune Records: Mais Mixtapes

Não fui a primeira a trazer uma mixtape ao Lune Station: Hekate comentou sobre o trabalho de um dos outros membros do BTS, RM, em um post excelente! Se você se interessa pelo assunto, fica o link para dar uma olhada e conhecer mais músicas boas:

Lune Records: Mixtape Mono, Moonchild e a Criança da Lua! – Lune Festa 2020, por Hekate

Conhecida na Lua como Artemis, meu nome aqui na Terra é Kadine. Considero que sou de Serra Negra – sou ariana com ascendente em escorpião. Interessada em tudo que é artístico, tenho um fraco para pesquisar coisas obscuras! Desbravadora de museus, compro mais livros do que consigo ler, interessadíssima em outros idiomas e culturas, colecionadora de chás e canecas, escritora nas horas vagas e gamer noturna para passar raiva com invader em Dark Souls (e relaxar com Devil May Cry ou Resident Evil).