Lado Brilhante da Lua,  Especiais,  Luneteca

Luneteca: Allan Poe – Sobre o Autor e 5 Leituras Indispensáveis!

Desde o Halloween, estou ensaiando para trazer ao blog um dos meus autores favoritos nesse mundo: Edgar Allan Poe. Como o especial de hoje é voltado para livros, decidi finalmente fazer esse post sobre ele!

Com certeza você já deve ter ouvido sobre o Allan Poe por aí: escritor de obras góticas, sempre nos temas de mistério e terror, Allan Poe é um dos autores mais notórios do gênero, sendo até considerado o criador de ficção policial.

Apesar disso tudo, sua vida também é muito conturbada e contraditória – já li bastante sobre ele, mas posso dizer que tudo é tão misterioso quanto os trabalhos que escrevia. Isso porque a maioria das coisas é tida como especulação ou vem acompanhada de um “não se sabe ao certo”.

Não posso dizer que não é o esperado de um escritor como ele.

Como nem todo mundo conhece os trabalhos de Allan Poe – ou só foi apresentado a um conto ou algo do gênero durante a escola – resolvi também fazer uma pequena lista das leituras que pessoalmente considero indispensáveis do autor! Assim, se você sempre quis começar a ler, mas nunca soube por onde, vou dar algumas dicas de contos que podem te interessar da mesma maneira que me interessaram!

Nosso corvo nos acompanhará durante todo o caminho enquanto o trem da estação lunar seguirá aos misteriosos e obscuros trabalhos de Allan Poe. Não se esqueça de anotar as dicas de leitura!

Afinal, Quem Foi Edgar Allan Poe?

Edgar Allan Poe – fonte da imagem: wikipedia

Nascido em 19 de Janeiro de 1809 em Boston, EUA, Edgar Allan Poe era escritor, poeta, editor e crítico literário. Filho de David e “Eliza” Poe, o pai abandonou a família logo de início e a mãe morreu em seguida, sendo que John e Frances Allan adotaram, de maneira informal, o garoto órfão.

Vivendo de maneira conturbada, Allan Poe apresentou problemas com álcool e drogas, além de certo vício em jogo, que o deixava com dívidas constantes e até o impediu de continuar os próprios estudos – e em constante atrito com John Allan.

Outro ponto muito controverso da vida do escritor é o fato de ter casado com Virginia Clemm – prima de Allan Poe e, na época, com 13 anos. Muito ainda se debate sobre isso – principalmente sobre a natureza do casamento e como ambos se tratavam – mas temos que admitir que uma coisa dessas é no mínimo inaceitável. Nada justifica se casar com uma criança, por favor, sejamos conscientes. Amo o trabalho dele, mas não dá pra passar o pano.

Apesar disso, pelos relatos e cartas, Virginia efetivamente amava Edgar e há muitos que dizem que o amor deles era mais platônico do que outra coisa (seja como for, ainda acho estranho). Aos 24 anos, porém, Virginia morreu de tuberculose – o que muitos acreditam ser a influência das constantes referências à morte e luto nos trabalhos do escritor.

Além dos trabalhos de terror e com temática gótica, Allan Poe foi responsável pela criação de Auguste Dupin: com sua primeira aparição em Os Assassinatos da Rua Morgue, é considerado o primeiro detetive de trabalhos de ficção e ainda o precursor de obras do mesmo estilo: ou seja, Auguste Dupin pode ser considerado como a inspiração para criação de Sherlock Holmes (outro amor da minha vida, mas deixemos isso para outro post).

Allan Poe morreu em 7 de Outubro de 1849, em circunstâncias ainda misteriosas: não se sabe qual foi a causa da morte, o que se sabe é que o escritor foi encontrado delirante em Baltimore e levado ao hospital, morrendo enquanto falava coisas completamente incoerentes. Com o histórico de alcoolismo, muitos atribuíram essa causa à morte de Allan Poe. Mas, até hoje, o que houve permanece um mistério.

5 Leituras Indispensáveis Para Quem Quer Conhecer o Autor!

Agora que sabemos um pouco mais sobre o autor, vou fazer apresentar alguns trabalhos que acho de leitura imperativa para quem quer conhecê-lo!

Mas atenção: essa é minha opinião pessoal! Não vou listar somente por ser algo famoso ou não, vou listar aqueles que efetivamente me marcaram e que acho que irá prender a atenção e despertar interesse de alguém que vai começar a ler os trabalhos de Allan Poe – futuramente se interessando em obras mais longas e “pesadas”, como O Corvo, um dos poemas mais famosos do escritor.

Logo de cara, porém, quero deixar aqui a sugestão de leitura de Os Assassinatos da Rua Morgue. Sou perdidamente apaixonada por Sherlock Holmes e tenho tantos livros de contos do detetive que já perdi a conta, mas a primeira aventura de Dupin não me chamou tanta atenção – novamente, gosto pessoal aqui. Acho que existem outros contos mais interessantes, mas se você tiver curiosidade de ler sobre o detetive que inspirou Conan Doyle, acho que vale a pena!

Sendo assim, vamos para a nossa listinha de hoje!

O Gato Preto

fonte da imagem: thought co

De 1845, provavelmente o primeiro conto que li do Allan Poe e um dos primeiros que muita gente deve ter lido. Um conto sobre assassinatos, alcoolismo e culpa, O Gato Preto vai escalando gradualmente em seriedade e insanidade de seu personagem principal, até terminar com uma reviravolta que, para quem não conhece, com certeza irá ficar guardada na memória.

Na história, um homem e sua esposa, que sempre gostaram de animais, cuidam de um gato preto chamado Pluto – que, curiosidade, é a versão em inglês do nome Plutão, deus romano da morte, correspondente a Hades da mitologia grega – mas, conforme o tempo passa, o homem começa a perder a razão por conta do álcool e começa a enxergar Pluto com um novo olhar que o leva a consequências terríveis.

Ficou interessado? Você pode ler online aqui: O Gato Preto

O Coração Delator

Ilustração do crime que gerou a história em questão – fonte da imagem: criminal element

Segundo conto absurdamente clássico? Sim!

Já dá para notar que assassinatos, culpa e insanidade são temas recorrentes dos trabalhos de Allan Poe. E é exatamente o que temos neste conto de 1843! Com as reviravoltas inesperadas ao final das histórias, o escritor tem uma ótima maneira de aumentar o suspense – e maluquice de seus personagens – gradualmente até chegar a um desfecho que nos causa arrepios e vontade de ler tudo de novo para vermos o que deixamos passar da primeira vez.

Contando a história de um homem que é contratado para cuidar de um senhor de idade com um olho de vidro, acompanhamos enquanto o personagem principal – e narrador da história – lentamente desce à loucura, incomodando-se cada vez mais com o senhor que deveria cuidar, principalmente com o olho de vidro mencionado anteriormente. O desfecho certamente vai ficar marcado, sendo um clássico das obras que tratam sobre culpa.

Você pode encontrar para ler online aqui: O Coração Delator

Berenice

Ilustração do conto – fonte da imagem: contos de terror

Em 1835, o escritor nos trouxe mais um conto sobre loucura e obsessão. Dessa vez, ambientado de maneira fantasmagórica e rodeado de morte. Mas não é só isso que contribui para a estranha sensação ao ler o conto: solidão é o que nos causa um desconforto que vai crescendo, assim como a obsessão insana do narrador.

Ah, Berenice, Berenice… O personagem principal é primo dela e logo ambos irão se casar, mas Berenice começa a decair por conta de uma doença (acho que já vimos isso antes, não?). O noivo dela, porém, fica impressionado com os dentes da moça, que parecem se manter intactos. E dessa observação, surge uma terrível obsessão – que fará com que o final certamente deixe o leitor com cara de “não acredito que isso aconteceu”.

Se você quiser ter essa experiência marcante, pode encontrar aqui para leitura: Berenice

O Barril de Amontillado

Vingança é o principal tema desse conto de 1846 – e Allan Poe nos deixa isso muito claro logo nas primeiras linhas da história. Já nos pega de supetão com um rápido desenvolvimento de personagens e um desfecho iminente que você não acredita realmente que irá acontecer.

O protagonista dessa pequena história conta seu processo de vingança contra Fortunato – a quem desgosta profundamente, mas bola um plano perfeito que coloca em execução com frieza e calma ao longo de todo o conto, deixando-nos com um final certamente assustador.

AGORA o que me fez considerar tanto esse conto e me fez colocar nessa lista de histórias mais marcantes, foi o fato de ter inspirado – mesmo que somente na ideia ou sendo um antecessor espiritual – o conto Venha Ver o Pôr do Sol, da Lygia Fagundes Telles.

Sério. SÉRIO. Venha Ver o Pôr do Sol é DE LONGE um dos meus contos favoritos e nossa como é maravilhoso! Afinal, o que pode dar errado de encontrar seu ex-namorado que quer lhe mostrar algo em um cemitério distante à luz do fim de tarde, embalados pelo pôr do sol? POR FAVOR, leia essa incrível obra de arte!

Vou deixar ambos para leitura!

O Barril de Amontillado

Venha Ver o Pôr do Sol

Nunca Aposte Sua Cabeça Com o Diabo

Também conhecido como Um Conto Com Uma Moral (A Tale With a Moral), publicado em 1841, é uma sátira que, para a época, serviu de crítica ao transcendentalismo – uma corrente filosófica que acredita na bondade inerente das pessoas e natureza.

O conto era para não ter nada de mais. Porém, conhecendo Poe e as reviravoltas que ele adora fazer, você começa a se sentir meio desconfortável com o personagem principal e sua mania de dizer “eu aposto minha cabeça com o diabo” toda vez antes de fazer uma aposta. E ele aposta simplesmente tudo a todo momento. É só aguardar o momento que algo vai dar errado.

E claro, com uma pequena “lição de moral” no fim da história.

Para leitura, infelizmente, não consegui achar em Português. Mas para quem quiser se aventurar em Inglês: Never Bet The Devil With Your Head

Outros Trabalhos

Claro, há muitas outras coisas no currículo do escritor! Allan Poe é conhecido também por suas poesias, havendo uma enorme gama de material de leitura para quem estiver interessado!

Espero que essas dicas tenham sido boas para aqueles que querem começar a ler os contos do Allan Poe e, para quem já conhece, existe algum outro que colocariam aqui? Qual foi a história dele que mais te marcou?

Conhecida na Lua como Artemis, meu nome aqui na Terra é Kadine. Considero que sou de Serra Negra – sou ariana com ascendente em escorpião. Interessada em tudo que é artístico, tenho um fraco para pesquisar coisas obscuras! Desbravadora de museus, compro mais livros do que consigo ler, interessadíssima em outros idiomas e culturas, colecionadora de chás e canecas, escritora nas horas vagas e gamer noturna para passar raiva com invader em Dark Souls (e relaxar com Devil May Cry ou Resident Evil).