Pipoca Lunar,  Trivia

Over The Moon – A lenda da Deusa da Lua e seu amor

Passageiros que acompanham o vagão da Sel, hoje nosso post é especial! 

Essa semana, uma semana dedicada ao astronauta – Alô, Marcos Pontes meu conterrâneo- meu post em específico é a um filme bem recente que conta a respeito de uma lenda asiática a respeito da deusa da lua.

Over The Moon! 

Over The Moon
(fonte da imagem: whatsnewonnetflix)

Over The Moon nos conta a história de Fei Fei que desde pequena é fã das historias de sua mãe sobre Chang’e, a deusa da lua. 

Fei Fei perde a mãe muito cedo e de repente todos começam a seguir a diante. Seu ápice de tristeza e descrença é quando seu pai traz alguém novo para que a família conheça e, além de ter que lidar com a possibilidade de ganhar uma madrasta e um irmão bobão, seu pai não afirma mais a respeito da existência da Deusa da Lua que sua mãe tanto lhe contava a história. Isso a faz colocar um objetivo em sua vida, descobrir se ela era ou não real. 

Uma viagem à lua seria uma ótima opção, não é? 

Inspirada pela construção de um trem bala, um guindaste e pela lenda de Chang’e, ela decide construir um foguete para a Lua para provar que Chang’e é real. Ela projeta um foguete que lembra uma lanterna de papel chinesa em forma de coelho que usa fogos de artifício para aumentar sua velocidade. Seu foguete quase dá certo até que ela percebe que Chin se esgueirou e subiu a bordo de seu foguete, desequilibrando o peso calculado por ela, fazendo com que eles comecem a cair de volta para a Terra.

De repente, o foguete é capturado por um feixe de energia místico e levado à lua. Eles pousam na lua após serem pegos por espíritos brincalhões, grandes dragões vermelhos e dourados, que são quem os resgatam, os  levando para Lunaria, um reino composto inteiramente de luz no lado escuro da lua – um alô para nossa amada coluna de filmes –  e a casa de Chang’e.

(fonte da imagem: rogerebert)

Eles são apresentados a Chang’e e suas dançarinas de apoio, chamadas de Lunettes – bolinhos da lua, lindos e um pouco irritantes às vezes mas que apenas querem o melhor de sua criadora. 

Chang’e diz a Fei Fei que ela deveria entregar um presente para Chang’e que poderia trazer Houyi de volta e concede a Fei Fei uma foto para provar que ela é real, mas Chang’e tira a foto de Fei Fei e exige o presente. 

Fei Fei não sabe do que ela está falando, e uma frustrada Deusa cansada de esperar – já que seu relógio que conta as batidas finais para que poeira lunar caia e  ela se reúna com Houyi – anuncia uma competição para encontrar seu presente, este que ela sente estar por algum lugar da lua. 

Fei Fei e Chin, seu futuro irmão de criação, discutem, ela parte sem ele para busca do presente que trará a prova de que ela esteve com a Deusa, para suas mãos.

Outro personagem importante nessa história é Pulinho, sua coelha que eventualmente ajuda Jade o coelho da Deusa com sua poção já que imediatamente se apaixonam. 

(fonte da imagem: discussingfilm)

Enquanto isso, Fei Fei e as Biker Chicks esquivam-se dos meteoritos que caem por causa do choro de Chang’e e vão para o local da queda de seu foguete, onde Fei Fei encontra um lunariano exilado chamado Gobi.

A suspeita de sua boneca da Deusa ser o presente, é a primeira opção, mas as Biker Chicks – galinhas motociclistas malvadas – agarram a boneca e deixam Fei Fei e Gobi para trás. 

Fei Fei e Gobi vão para Lunaria nas costas de sapos gigantes, onde Gobi revela que Chang’e o exilou devido a uma música que ele cantou para ela sobre deixar Houyi. Depois de muita confusão em busca do presente, Fei Fei descobre que em um de seus mooncakes – preparados por sua futura madrasta que alegou ser descendente de Houyi – tem uma metade quebrada de um círculo de jade aberto e percebe que é um presente de Chang’e precisa.

Mas será que ainda há tempo?

Eles retornam ao palácio de Lunaria, reencontram Chin e Bungee e apresentam o presente a Chang’e, que faz um círculo completo de jade. Chang ‘ e e Houyi são então brevemente reunidos, mas Houyi explica que ele não pode ficar e diz a Chang’e para seguir em frente antes de desaparecer. Recusando-se a aceitar isso, Chang’e cai em um estado de depressão, fazendo com que toda a luz em Lunaria se apague.

(fonte da imagem: empireonline)

A garotinha tenta se aproximar de Chang’e, mas no momento em que ela entra no estado de tristeza de Chang’e, ela também fica deprimida devido a uma visão da morte de sua mãe, na qual Fei Fei percebe que ela nunca aceitou perdê-la. Percebendo que ambas devem superar suas tragédias, Chang’e e Fei Fei encorajam uma a outra a encontrar o amor ao seu redor, por Chang’e na forma dos lunares e Fei Fei na forma de Chin e sua família. Isso permite que as duas aceitem a morte de seus entes queridos, restaurando a vida de Lunaria.

Chang’e agradece Fei Fei e permite que ela e Chin voltem para casa – exceto Bungee, que fica na Lua com o Coelho de Jade – e suspende o banimento de Gobi. Fei Fei e Chin se despedem dos lunares e voltam para casa, onde Fei Fei aceita o casamento de seu pai e da Sra. Zhong e Chin como seu irmão.

(fonte da imagem: rogerebert)

O filme é uma comédia de fantasia e aventura musical de 2020, animado por computador, dirigido por Glen Keane e co-dirigido por John Kahrs, a partir de um roteiro de Audrey Wells com a colaboração de Alice Wu e Jennifer Yee McDevitt. O filme é produzido pela Pearl Studio e Netflix Animation, e animado pela Sony Pictures Imageworks. É estrelado pelas vozes de Cathy Ang, Phillipa Soo, Ken Jeong, John Cho, Ruthie Ann Miles, Margaret Cho e Sandra Oh. É o primeiro filme internacional dirigido por Glen Keane, que trabalha como animador do Walt Disney Animation Studios; e o segundo filme produzido pelo Pearl Studio, após o filme de animação de 2019 da DreamWorks, Abominable.

Conto inspirado

Chang’e & Houyi
(fonte da imagem: popsugar)

Existem muitos contos sobre Chang’e, incluindo uma história bem conhecida sobre ela que é dada como a origem do Festival do Meio Outono . 

Em um passado muito distante, dez sóis surgiram juntos nos céus e queimaram a Terra, causando assim sofrimento para as pessoas. Houyi, o arqueiro, abateu nove deles, deixando apenas um Sol, e recebeu o elixir da imortalidade como recompensa. Ele não o consumiu imediatamente, mas deixou que Chang’e ficasse com ela, já que não queria obter a imortalidade sem sua amada esposa Chang’e.

No entanto, enquanto Houyi saía para caçar, seu aprendiz Fengmeng invadiu sua casa e tentou forçar Chang’e a lhe dar o elixir; ela se recusou e para impedi-lo de obtê-lo, ela bebeu o elixir. Chang’e então voou para cima em direção aos céus, escolhendo a Lua como residência, pois ela amava seu marido e esperava morar perto dele.  Houyi descobriu o que havia acontecido e ficou triste, então ele mostrou as frutas e bolos de que Chang’e gostava e ofereceu sacrifícios a ela.”

Em versões mais antigas da história, Chang’e roubou o elixir de Houyi, bebeu e voou para a lua para que seu marido não pudesse ir atrás dela. 

Chang’e aparece no romance de Wu Cheng’en , do final do século 16, Journey to the West .

Chang’e foi mencionada em uma conversa entre Houston CAPCOM e a tripulação da Apollo 11 pouco antes do primeiro pouso na Lua em 1969:

(fonte da imagem: abcactionnews)

Ronald Evans: Entre as grandes manchetes sobre o Apollo esta manhã, está uma pedindo que você observe uma linda garota com um grande coelho. Uma antiga lenda diz que uma linda garota chinesa chamada Chang-O mora lá há 4.000 anos. Parece que ela foi banida para a Lua porque roubou a pílula da imortalidade de seu marido. Você também pode procurar seu companheiro, um grande coelho chinês , que é fácil de localizar, pois está sempre de pé nas patas traseiras à sombra de uma canela. O nome do coelho não é relatado.

Michael Collins: OK. Vamos ficar de olho na garota coelho. 

A União Astronômica Internacional atribuiu o nome de Chang-Ngo a uma pequena cratera de impacto na lua.

Em 2007, a China lançou sua primeira sonda lunar, uma espaçonave robótica chamada Chang’e 1 em homenagem à deusa.

Uma segunda sonda robótica, chamada Chang’e 2 , foi lançada em 2010. Uma terceira espaçonave Chang’e, chamada Chang’e 3 , pousou na Lua em 14 de dezembro de 2013, tornando a China o terceiro país do mundo a conseguir tal feito após a ex-União Soviética e os Estados Unidos.

A sonda também entregou o rover robótico Yutu (“Coelho de Jade”) à superfície lunar. Em 3 de janeiro de 2019, Chang’e 4 pousou no outro lado da Lua e implantou o rover Yutu-2.

Personagens:  

fonte da imagem: shabsin

Chang’e ( chinês :嫦娥; pinyin : Cháng’é , traduzido não oficialmente como Chang-Er ou Chang-o para uma pronúncia mais simples), originalmente conhecido como Heng’e , é a deusa chinesa da Lua . Ela é o assunto de várias lendas na mitologia chinesa , a maioria das quais incorpora vários dos seguintes elementos: Houyi, o arqueiro, um imperador benevolente ou malévolo , um elixir da vida e a Lua. Ela é casada com Houyi.

Nos tempos modernos como foi citado acima, Chang’e foi o homônimo do Programa de Exploração Lunar Chinês.

(fonte da imagem:  mythology.wikia)


Hou Yi ( chinês :后羿; pinyin : Hòu Yì ; Wade – Giles : Hou I ) é um arqueiro chinês mitológico . Ele também era conhecido como Shen Yi e simplesmente como Yi (羿). Ele também costuma receber o título de “Lord Archer”. Ele às vezes é retratado como um deus do arco e flecha que desceu do céu para ajudar a humanidade. Outras vezes, ele é retratado simplesmente como meio divino ou totalmente mortal. Sua esposa, Chang’e (嫦娥 Cháng’é ), é uma divindade lunar.

Na mitologia chinesa, existiam 10 sóis. Inicialmente, os dez sóis cruzariam o céu um por um, mas um dia todos os dez sóis apareceram ao mesmo tempo, queimando a terra. Hou Yi foi incumbido pelo mítico Rei Yao de controlar os sóis. Hou Yi primeiro tentou raciocinar com os sóis.

Quando isso não funcionou, ele então fingiu atirar neles com seu arco para intimidá-los. Quando os sóis novamente se recusaram a dar ouvidos aos avisos de Hou Yi, ele começou a atirar neles um por um. À medida que cada um caia, eles se transformavam em corvos de três patas . Finalmente, sobrou apenas um sol e o rei Yao , bem como a mãe do sol, pediram que ele fosse poupado para a prosperidade do homem.

Hou Yi também era conhecido por matar, mutilar e aprisionar várias outras bestas míticas, como Yayu, Zaochi, Jiuying, Dafeng, Fengxi e Xiushe. Ele foi instruído pelo Rei Yao a ir atrás dessas criaturas, pois todas elas estavam causando problemas para os humanos.

Hou Yi foi presenteado com a pílula da imortalidade pelos deuses. Um dos aprendizes de Hou Yi, chamado Peng Meng, invadiu a casa de Hou Yi em busca da pílula da imortalidade enquanto Hou Yi estava caçando. Sua esposa Chang’e engoliu a pílula antes que Peng Meng pudesse pegá-la. Depois de comer a pílula, Chang’e subiu à lua.

(fonte da imagem: wikipedia)

Em outra versão, depois que Hou Yi abateu os sóis, ele foi proclamado como um rei-herói pelo povo. Porém, uma vez que foi coroado rei, ele se tornou um tirano e subjugou seu povo. Hou Yi também obteve o elixir da imortalidade de Xiwangmu para viver para sempre. Chang’e tinha medo de que, se vivesse para sempre, as pessoas seriam para sempre vítimas de sua crueldade. Portanto, Chang’e consumiu o elixir sozinha e flutuou para longe. Ao fazer isso, Hou Yi tentou derrubá-la, mas falhou. Por seu sacrifício, as pessoas começaram a homenageá-la durante o Festival do Meio Outono.

Esse filme por mais que seja uma animação infantil, definitivamente entrou como um dos meus favoritos – sim, eu chorei – e espero que vocês tirem um tempinho para assistir, também. 

Pode ser encontrado na Netflix! 

Trailer: Over The Moon

Você já viu Over The Moon? O que achou? Deixe seu comentário contando a irmandade da lua qual a sua opinião.  

A semana do astronauta acabou sendo uma semana importante para o Lune Station, afinal, nossa estação fica na lua, certo?

Espero que essa viagem tenha feito vocês enxergarem como o Lune Station, pode ser um lugar mágico. 

Mooncakes dançantes, galinhas motoqueiras, coelhos que fazem feitiços e (no caso do nosso blog) três Deusas da Lua – conforme a mitologia grega. 

Selene, Hekate e Artemis! 

Não perca a programação de 2021, será um ano cheio de novidades por aqui!

It’s Lay time!!! Eu sou a Laysa, mais conhecida neste espaço como Selene. Nascida no interior de São Paulo e criada em diversos lugares. Aquariana – sim, lidem com isso! – amante de tudo ligado à cultura geral, história, idiomas, livros, playlists aleatórias, escrever e fotografias. E devo deixar claro que o cinema é a minha paixão.